Emissões de debêntures alcançam recorde de R$ 83,1 bilhões em 2018 até julho

O volume de emissões de debêntures entre janeiro e julho de 2018 alcançou R$ 83,1 bilhões, em 149 operações, o maior para o período da série histórica da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O resultado é o terceiro maior se comparado aos volumes anuais de debêntures: por enquanto perde apenas para 2012, quando foram R$ 90 bilhões de janeiro a dezembro, e para o recorde de R$ 96,3 bilhões em 2017.

Considerando apenas as debêntures de infraestrutura (regidas pela Lei 12.431), as emissões continuam no maior patamar da história, em R$ 13,2 bilhões, com 28 operações realizadas em 2018. “Nosso mercado de capitais está cada vez mais ativo e organizado e as empresas estão encontrando nele opções importantes para os financiamentos de seus projetos”, afirma o diretor da Anbima José Eduardo Laloni, em comunicado.

Entre janeiro e julho, as companhias captaram R$ 131,9 bilhões no mercado de capitais brasileiro, volume 36% maior do que no mesmo período do ano passado. Desse total, R$ 116,4 bilhões foram movimentados por instrumentos de renda fixa (incluindo as debêntures), a partir de 323 emissões. Os fundos imobiliários registraram R$ 8,6 bilhões no mesmo período, com 42 operações. Já na renda variável não houve movimentos nos últimos três meses e o total acumulado no ano é de R$ 6,8 bilhões a partir de quatro operações.

No mercado externo, as captações das empresas brasileiras acumularam R$ 40,8 bilhões até julho deste ano, contra os R$ 55,4 bilhões alcançados no mesmo período de 2017. Foram 18 emissões realizadas exclusivamente por ativos de renda fixa.


Cadastre-se e receba gratuitamente newsletter do site Investidor Institucional, com síntese das nossas notícias diárias. Preencha os dados abaixo e nos envie, inserindo a seguir o email ii@investidorinstitucional.com.br na sua lista de contatos para não sermos barrados como spam.
Li e concordo com termos e condições de uso