Oposição volta a recolher apoios e instala CPI

Edição 270

Depois de uma primeira tentativa frustrada de instalar a CPI dos fundos de pensão, no início de abril, a oposição voltou a recolher assinaturas e conseguiu o número mínimo exigido. Com objetivo de investigar irregularidades nos fundos de pensão com patrocinadoras federais, a CPI foi oficialmente criada pelo Senado Federal no início deste mês de maio. O pedido foi protocolado por Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Ana Amélia (PP-RS) e pelo líder do PSDB, Cássio Cunha Lima, e teve o apoio de 27 senadores, número mínimo (um terço do Senado) exigido para aprovação da proposta.
A primeira tentativa havia recolhido 32 assinaturas, mas não teve êxito devido à retirada de apoio por parte da bancada do PSB. A CPI pretende averiguar problemas e prejuízos causados nos fundos de pensão por conta de má administração de seus recursos financeiros a partir de 2003. A comissão terá 11 integrantes e voltará a atenção para os grandes fundos de pensão do país - Previ, Petros, Postalis e Funcef.