Fundação da Odebrecht termina escolha de perfil

Edição 258

A Odebrecht Previdência, anteriormente denominada de Odeprev, encerrou a primeira etapa de escolha de perfis de investimentos pelos participantes. Com base na adesão dos perfis, o fundo de pensão verificará se será necessária uma mudança na gestão dos recursos do fundo. “Primeiro vamos ver as escolhas dos participantes e determinar o tamanho de cada perfil”, explica Sérgio Brinckmann, responsável pela Odebrecht Previdência. “Isso feito, passamos pela etapa de realocação da carteira atual, que deve acontecer em maio. No segundo semestre, vamos buscar o que estiver faltando na carteira de acordo com os perfis escolhidos”.
Os perfis oferecidos pelo fundo são pós-carreira 2020, 2025 e 2030 e o curto prazo. Cada perfil é determinado de acordo com as datas-alvo para o início da fase de beneficio, ou seja, o participante escolhe a partir de acordo com a data que ele utilizará o recurso. No mercado americano, o sistema leva o nome de target date. “Quanto maior o prazo, mais agressivo será o portfólio, pois mais tempo ele teria de se recuperar de eventual perda”, diz Brinckmann. Já no perfil curto prazo, os ativos são atrelados ao CDI e a adesão é automática para participantes que não optaram por nenhum dos outros perfis. A escolha poderá ser mudada anualmente todo mês de novembro.
Segundo ele, os participantes do fundo questionavam da oferta de um perfil único. O perfil mais longo tem sido o mais procurado, pois a média etária da organização é baixa. Já em volume financeiro, o perfil de curto prazo será o maior. O fundo da Odebrecht possui patrimônio de R$ 1,677 bilhão.