Mainnav

O câmbio e as forças que definem seu movimento Eduardo Yuki

Edição 220

A apreciação cambial dos países emergentes virou o principal tema de discussão nos últimos meses. Existem duas forças importantes para a valorização do Real: política monetária frouxa nos países desenvolvidos e baixa poupança nacional. A primeira força empurra recursos externos e a segunda puxa capital estrangeiro para o país. Assim, as medidas em discussão para atenuar a apreciação cambial precisam contemplar uma reforma estrutural para aumento da poupança nacional.
O ban

A mundialização das finanças previdenciárias Paulo Rabello de Castro

Muita gente se questiona com sinceridade por que motivo o gestor de fundos de pensão deveria aplicar recursos “lá fora”, usando uma expressão corriqueira para denotar a distância virtual e afetiva que as pessoas de finanças institucionais no Brasil ainda sentem quando convidadas a pensar em aplicações no exterior. Também pudera. A geração que atualmente comanda as decisões de investimentos nas entidades fechadas de previdência complementar provém de uma experiência de penúria cambial no País, quando o Brasil andava com o pires na mão para re

Principais desafios para a supervisão baseada em riscos Rodrigo Abbruzzini

Edição 219

No final de janeiro de 2010, a Lei nº 12.154 de 2009 foi sancionada estabelecendo a criação da Secretaria Nacional da Previdência Complementar. A PREVIC possui autonomia administrativa e financeira, subsidiada pela Taxa de Fiscalização e Controle da Previdência Complementar – TAFIC, a ser cobrada quadrimestralmente das EFPC, com estimativa de arrecadação de aproximadamente 33 milhões de reais por ano. Dessa forma, a PREVIC terá

Alguns pontos importantes de análise sobre os fundos IMA Viviane Werneck

Edição 218

Novidades que têm ocupado as prateleiras do mercado geram pontos de interrogação a partir de análises mais detalhadas
Um novo produto tem enchido as prateleiras do mercado de fundos de investimentos, os popularmente denominados fundos IMA - fundos de investimentos que buscam superar os indicadores IMA e IRF-M da Anbima. Esses produtos são vendidos como sendo a revolução do mercado de fundos de investimentos, trazendo ao investidor uma segurança quanto aos ativos que compõem o fundo e quanto à rentabil

Empréstimos de Cotas de ETFs: uma nova possibilidade Osmar de Carvalho Santos Junior

Edição 217

A regulamentação das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (“EFPC”), os chamados Fundos de Pensão, foi alterada por diversas vezes, traduzindo o aperfeiçoamento e o maior dinamismo da indústria de previdência no Brasil. No final do ano passado, o Conselho Monetário Nacional (“CMN”) publicou a Resolução nº 3.792 (“Resolução CMN 3.792/09”), dispondo sobre as diretrizes de investimento deste segmento.
Este normativo representou um avanço para as EFPC. A legislação an

Risco penal para os administradores de fundos Fabio Camata Candello e Lucia Mazará

Edição 216

A nova legislação deixou uma lacuna que, até o momento, suscita profundas dúvidas. Qual a natureza jurídica do fundo de pensão?
É inegável na última decáda, marcada pela estabilidade econômica no cenário nacional, o desenvolvimento de uma cultura de planejamento previdenciário, em todas as categorias de profissionais. Assim, observa-se uma nítida preferências pelo sistema de previdência complementar, marcado por produtos desenvolvidos pelas instituições financeiras tradicionais, como os famosos planos

A família mudou. Como ficam os planos? Sandra Brumatti e Ana Maria C. Martin

Edição 215

Na década de 70, as famílias eram chefiadas por homens e tinham de três a cinco filhos; as mulheres começavam a ingressar no mercado
Em 1977, ano que a Lei nº 6.435 regulou a previdência complementar no Brasil, o cenário social era muito diferente. Os casamentos eram crescentes e para durar a vida toda. As famílias, chefiadas por homens, tinham de três a cinco filhos. O desquite era raro e o divórcio novidade. As mulheres ainda não tinham ingressado tão fortemente no mercado de trabalho. O papel

Os fundos multimercados no centro das atenções Rodrigo Borges

Edição 214

A internacionalização da indústria de fundos é, sem dúvida,o maior desafio pelo qual passaremos em muito tempo
O ano de 2010 será, sob diversos pontos de vista, bastante desafiador para os fundos multimercados. Uma combinação de fatores de curto prazo, mudanças na legislação e aspectos estruturais exigirá dos gestores dessa classe de fundos uma expansão significativa de seus horizontes de atuação e, consequentemente, dos conhecimentos adicionais que certamente serão necessários a essa nova demanda. No

Perspectivas dos Avanços Regulatórios na Previdência Sandra Lima Santos

Edição 213

A criação da Previc – Superintendência Nacional de Previdência Complementar, órgão vinculado ao Ministério da Previdência Social, que substituiu a SPC – Secretaria de Previdência Complementar, aumenta as expectativas sobre os avanços regulatórios do sistema.A Previc foi bastante aguardada pela sua importância para o sistema, notadamente por sua missão de supervisionar, f

Brasil – Pólo de Atração para Recursos Estrangeiros Zeca Oliveira

Edição 212

Após sair de uma breve recessão, causada pelos impactos negativos decorrentes de uma das maiores crises financeiras do pós-guerra, o Brasil se tornou um dos pólos de atração de recursos estrangeiros mais importantes no mundo.
O teste de resistência da economia brasileira foi firmado durante o período mais crítico da crise global. Diferente do passado, o Brasil não sofreu uma super-desvalorização permanente da moeda que, po