Mainnav

Economistas da Anbima projetam taxa Selic em 2,5% no final do ano

fernando honorato1O cen√°rio de crise, desencadeado pela pandemia de Covid-19, tem estimulado a manuten√ß√£o da trajet√≥ria de queda da Selic, que deve encerrar o ano a 2,5%. As proje√ß√Ķes s√£o dos economistas do Grupo Consultivo Macroecon√īmico, que representam as institui√ß√Ķes associadas √† Anbima (Associa√ß√£o Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).
Segundo o grupo, um dos fatores que contribui para as quedas da Selic √© a infla√ß√£o abaixo da meta do Banco Central, de 4%. As estimativas, que em janeiro estavam em 3,2%, ca√≠ram para 2,1%. ‚ÄúA infla√ß√£o controlada permite que o Banco Central reduza os juros, amparado pelo regime de metas de infla√ß√£o‚ÄĚ, afirma Fernando Honorato, presidente do grupo e economista-chefe do Bradesco.
Quanto √† atividade econ√īmica, os impactos da pandemia na economia global e dom√©stica fizeram com que os economistas revisassem para baixo as proje√ß√Ķes. Em mar√ßo, as expectativas eram de que o produto interno bruto (PIB) atingisse 1,5% no ano. Hoje, a m√©dia das proje√ß√Ķes aponta resultado negativo de 4%. "Caso o resultado se concretize, ser√° uma das maiores contra√ß√Ķes da hist√≥ria do pa√≠s", diz Honorato.
Para a pol√≠tica fiscal, o GCM aponta que o aumento dos gastos p√ļblicos, por conta da pandemia, tem impactado diretamente no resultado prim√°rio. As proje√ß√Ķes s√£o de d√©ficit prim√°rio de 8,1% do PIB no fim de 2020, 6,49 pontos percentuais a mais do que as estimativas em mar√ßo.O cen√°rio de crise global, aliado √†s d√ļvidas sobre o tempo de dura√ß√£o da pandemia, ao fortalecimento do d√≥lar e √†s incertezas da economia e da pol√≠tica local, tem se materializado na piora do c√Ęmbio, de acordo com o grupo de economistas. Se no come√ßo de 2020 a proje√ß√£o para o d√≥lar no encerramento do ano era de R$ 4,10, agora a mediana das estimativas √© de R$ 5,00.