Mainnav

Funepp divulga prévia dos resultados de maio

A Fundação Nestlé de Previdência Privada (Funepp) divulgou prévia da rentabilidade de seus planos no mês de maio, com o PAN rendendo 1,33% no mês e 4,02% no acumulado do ano. Já a rentabilidade do PAP II para os mesmos períodos foi de 1,33% e 4,02%, do PAP foi de 1,11% e 4,71 e do Suplementar foi de 0,71 e 1,32%.
A fundação informa que “a rentabilidade efetiva do mês está sujeita a alterações até o fechamento contábil”. Segundo comentário da Funepp em seu site, “a melhora nas expectativas do mercado (no mês) contribuíram positivamente p

Petros divulga resultados prévios da rentabilidade de maio

A rentabilidade obtida pela Petros, o fundo de pensão dos funcionários da Petrobras e outros, foi de 2,6% em maio último para Plano Petros-2 (PP-2), de acordo com a prévia apresentada pela fundação, frente a um objetivo de 1,1% para o mês. No acumulado do ano a rentabilidade soma 4,6% contra o objetivo de 5,2%.
Já os investimentos do Plano Petros do Sistema Petrobras – Repactuados (PPSP-R) apresentaram valorização de 3,2% em maio, segundo a mesma prévia, para um objetivo de 1,1% para o mês. No acumulado do ano a rentabilidade do plano é

Infraprev amplia investimentos no exterior

O Infraprev, fundo de pensão de seis empresas do setor aeroportuário, selecionou a Aegon e a Morgan Stanley para gerir suas aplicações em renda variável no exterior. A dupla responderá, com três fundos de investimento, pela gestão de cerca de R$ 185 milhões, o correspondente a 5% do patrimônio da entidade. Até o fim de 2020, o Infraprev tinha apenas 0,6% de sua carteira alocada em mercados externos, por meio de ETFs ancorados em índices de bolsas dos Estados Unidos.
“O mix de gestores e estratégias permitirá um bom equilíbrio, visando

Dirigentes de fundos de servidores analisam o projeto do IMK

Da esquerda para direita: Carlos Flory; Ricardo Pena; José Luiz Costa Taborda Rauen
Da esquerda para direita: Carlos Flory; Ricardo Pena; José Luiz Costa Taborda Rauen

O projeto de lei que o IMK (Iniciativa de Mercado de Capitais) deve enviar ao Congresso Nacional alterando as leis complementares 108 e 109, “contribui para reduzir as desigualdades de tratamento entre a previdência aberta e a fechada”, analisa o presidente da Prevcom-SP, Carlos Flory. Segundo o dirigente, “já na época da Reforma da Previdência o (ministro da Economia) Paulo Guedes dizia que tinha que ter mais concorrência entre as abertas e as fechadas, e concordo com isso mas desde que tenham as mesmas condições. As mudanças na 108 e 109 v

Previ Novartis pretende trocar IGP-DI por IPCA no CV

A Previ Novartis, o fundo de pensão dos funcionários da Novartis Biociência e da Sandoz do Brasil, comunicou aos seus participantes, em 31 de maio, o início do processo de troca do IGP-DI pelo IPCA como indexador dos benefícios concedidos até 18 de outubro de 2013 pelo Plano A, de Contribuição Variável (CV). Fechado a adesões desde janeiro de 2002, o produto responde por 72% do patrimônio da entidade, que somava R$ 1,22 bilhão em dezembro, e conta com cerca de 820 participantes, dos quais pouco mais de 10% na ativa.
“O Plano A nunca apr

Martins diz que projeto do IMK traz avanços, mas tem omissões

Luís Ricardo Martins, presidente da Abrapp
Luís Ricardo Martins, presidente da Abrapp

O presidente da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), Luís Ricardo Martins, considera que o projeto de lei que o IMK (Iniciativa de Mercado de Capitais) deve enviar ao Congresso Nacional alterando as leis complementares 108 e 109, que regulam o funcionamento dos fundos de pensão de patrocinadores públicos e privados, respectivamente, traz ao sistema “um viés de fomento”.
Segundo Martins, a modernização das LCs 108 e 109 “é o projeto mais ambicioso dos últimos anos, pois dá continuidade ao cre

Conselho confirma Daniel Stieler na presidência da Previ

O Conselho Deliberativo da Previ, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (BB), aprovou na última quarta-feira (09/06) a indicação de Daniel André Stieler como novo presidente da entidade. O executivo irá substituir José Maurício Pereira Coelho, que apresentou pedido de renúncia em 25 de maio e permanecerá no cargo até a próxima sexta-feira (11/06).
Graduado em ciências contábeis pela Universidade Federal de Santa Maria (RS), com pós-graduações em administração financeira e auditoria, ambas pela Fundação Getúlio Vargas (FG

Forluz fecha maio com resultados positivos em todos os planos

Em maio, com a bolsa registrando bom desempenho pelo seu terceiro mês consecutivo, a vacinação contra a Covid-19 avançando e as reformas administrativa e tributária começando a animar o mercado, o desempenho das carteiras de investimento da Forluz foi positivo em todos os planos.
No Plano A, com meta atuarial de 1,30%, a rentabilidade foi de 1,49% (reservas de R$ 6,35 bilhões) em maio. Já o Plano B, com reservas de R$ 11,60 bilhões, teve retorno consolidado de 1,31% e números positivos em todos os perfis (0,91% no Ultraconservador, 1,25

Projeto do IMK busca harmonizar regras entre abertas e fechadas

Além de alterar profundamente as regras do sistema de fundos de pensão de empresas públicas, o Projeto de Lei que o IMK (Iniciativa de Mercado de Capitais) deve enviar ao Congresso Nacional para permitir a contratação de entidades abertas de previdência para administrar planos de benefícios de estados e municípios, conforme prevê a Emenda Constitucional 103, contém várias normas destinadas a harmonizar os planos de entidades abertas e fechadas. O projeto altera artigos das Leis Complementares 108 e 109 para garantir que “os planos de benefíc

Projeto do IMK muda LC 108 e abre o setor público para as abertas

Após mais de um ano de discussão o IMK (Iniciativa de Mercado de Capitais) finalizou uma proposta que enviará ao Congresso Nacional na forma de Projeto de Lei permitindo que estados e municípios com regimes próprios de previdência social (RPPS) contratem planos de previdência complementar junto às entidades abertas para oferecer aos seus funcionários com salários acima do teto previdenciário, conforme determina a Emenda Constitucional 103. Isso será feito através de alterações na Lei Complementar 108, que regula o funcionamento dos fundos de