Funcesp registrou rentabilidade de 17,25% no ano passado

Jorge SiminoA Funcesp, o maior fundo de pensão de patrocínio privado do país, registrou rentabilidade de 17,25% em 2019, superando a meta atuarial do período em 5,89 pontos percentuais e o retorno médio do sistema fechado de previdência complementar em 4,19 pontos. A carteira de investimentos da entidade somava, em 31 de dezembro último, R$ 32,1 bilhões, 7,7% a mais do que no fim de 2018.

Os resultados positivos se estenderam a todos os segmentos investidos do fundo de pensão no ano passado, com destaque para as carteiras de renda variável, que tiveram alta de 27,63%, a imobiliária, de 28,66%, e de renda fixa, com valorização de 15,20%, quase o triplo dos 5,96% registrados pelo CDI, referência para renda fixa. Na avaliação de Jorge Simino Junior, diretor de investimentos e patrimônio da Funcesp, 2109 foi um ano "exuberante" para todas as classes de ativos, com excelente valorização dos títulos públicos e das ações da bolsa de valores. Isso porque, passado o nervosismo do período eleitoral, o mercado reagiu positivamente, sobretudo com a tramitação da reforma da Previdência, impulsionando os preços dos ativos.

Os bons resultados têm sido uma constante nos investimentos da Funcesp. Nos últimos três anos, a carteira da fundação acumula rentabilidade de 50,60%, desempenho 42,5% acima da meta atuarial do período, que foi de 35,50%. "A gente vem numa sequência muito positiva. Nossa rentabilidade reflete os cenários macro local e internacional, e a expertise da equipe tem sido fator determinante para fazer alocações dos recursos nos ativos de melhor performance", Comenta Simino.

O executivo destaca que a atual crise econômica mundial, causada pela pandemia do coronavírus Covid-19, e agravada pela queda nos preços do petróleo, deve, sim, ter impacto negativo nos resultados deste ano. “Principalmente pela dimensão da crise, que atingiu o mercado como um todo, muito provavelmente teremos reflexos na rentabilidade dos investimentos deste ano”, afirma. Ele assinala que o momento é de cautela nas movimentações para se observar a duração e a extensão dos efeitos do quadro atual.