Mainnav

Meta atuarial não é carrasco

Edição 223

Flávio Castro, diretor do Iba

Mesmo em um cenário em que o País caminha para taxas de juros mais baixas, o atuário Flávio Castro acredita que ainda é possível que as fundações persigam uma meta de rentabilidade real de 6% ao ano. Em cargos diretivos no Instituto Brasileiro de Atuária (Iba) desde 2008, e atualmente diretor de publicações da entidade, Castro diz que é preciso haver “bons gestores e boas ideias” para se conseguir os resultados nesse novo ambiente mais desa

Sem mágicas na economia

Edição 222

Alexandre Póvoa, do Modal

O economista Alexandre Póvoa, hoje no posto de diretor superintendente do Grupo Modal, fica frustrado ao ver que boa parte da bibliografia adotada por cursos de economia no Brasil ainda seja composta por livros de autoria de estrangeiros, principalmente norte-americanos. “Viajo muito e converso bastante com analistas, gestores e economistas lá de fora. Vejo que nós não ficamos devendo nada – mu

Desafio do crédito

Edição 221

Guilherme Nóbrega, economista do Itaú

O crescimento econômico vai bem obrigado. A transição para o novo governo, da presidente eleita Dilma Rousseff deve ocorrer sem problemas e sobressaltos. Mas qual serão os desafios para que a economia brasileira continue se desenvolvendo de forma virtuosa? Em entrevista exclusiva para a Investidor Institucional, o economista Guilherme Nóbrega, do maior banco privado brasileiro, o It

Supervisão orientada

Edição 220

Rogelio Marchetti, do Banco Mundial

É melhor prevenir do que remediar. O ditado popular pode resumir a essência da Supervisão Baseada em Risco (SBR), metodologia de fiscalização que envolve a identificação, a avaliação, o controle e o monitoramento da exposição dos supervisionados a riscos. Em abril do ano passado, o então Conselho de Gestão da Previdência Complementar (CGPC) aprovou a Recomendação número 02, que trata

RPPS querem ser ouvidos

Edição 219

Fernando Rodrigues, titular da SPPS

Os regimes próprios de previdência social (RPPS) querem ser ouvidos na formulação das regras de investimentos. Esse é um dos pontos de vista defendidos pelo atual titular da Secretaria de Políticas de Previdência Social, Fernando Rodrigues, que diz em entrevista exclusiva que faltou uma discussão mais aprofundada com os atores desse segmento na formulação do marco regulatório da gestã

Brasil sob os holofotes

Edição 218

Marcelo Carvalho, economista-chefe do BNP Paribas

O Brasil dá novos passos rumo à sua transformação em um centro econômico e financeiro latino-americano. Prova disso é a recente contratação de Marcelo Carvalho pelo BNP Paribas. Ele é o novo economista-chefe da instituição e, ao contrário de seu antecessor no posto, não será responsável apenas por Brasil, mas sim por toda a América Latina. A chegada de Carvalho como chef

Blindagem dos institutos

Edição 217

Valnei Rodrigues, presidente da Abipem

Depois de uma atuação destacada nos últimos anos como representante dos regimes próprios de previdência do Rio Grande do Sul, o ex-dirigente sindical e servidor público Valnei Rodrigues assume a presidência da Associação Brasileira das Instituições de Previdência dos Estados e Municípios (Abipem). Dirigente do RPPS de Novo Hamburgo, ele foi eleito no último congresso nacional da as

O que vem pela frente

Edição 216

José Márcio Camargo, economista da Opus

A luz amarela está acesa. Apesar se não estarmos nem perto dos piores dias de 2008, quando a crise financeira internacional chegou ao seu ponto mais agudo, o momento atual também não chega a ser de calmaria no cenário econômico mundial. Os problemas deflagrados na Europa já exerceram seus primeiros efeitos sobre o mercado de capitais brasileiro, com a redução da oferta de crédito às companhias e a fuga de recursos estrangeiros da Bolsa. Isso tudo tem deixado

Previc: a roda está girando

Edição 215

Ricardo Pena, superintendente da Previc

Em sua edição de janeiro de 2010, Investidor Institucional trazia na capa o seguinte texto: “Congresso aprova a criação da Previc nos últimos dias de 2009. Agora falta definir os nomes das pessoas que irão comandá-la, regulamentar o seu funcionamento e dizer a que veio”. Passados quatro meses desde o início efetivo da operação da autarquia especial, essas questões estão em boa parte respondidas. A Prev

Lapidando o diamante

Edição 214

Paulo Oliveira, diretor geral da Brain

Já não é novidade que o Brasil tem o maior mercado de capitais da América Latina, atrai um grande volume de recursos estrangeiros e de empresas de porte e atuação internacional. Todos esses fatores, somados à economia estável e ao status de investment grade, fazem do País um lugar ideal para concentrar negócios e investimentos originados nos mais diversos cantos do mundo. Acontece