Mainnav

Para além dos termos de troca Jorge Simino

Edição 337

Desde de meados do mês de abril é possível observar um movimento mais intenso de apreciação da nossa moeda, e isto sem maiores intervenções do banco central, seja por meio de oferta de swaps, seja por meio de oferta de linha ou mesmo spot. Apenas para o devido registro: a taxa de câmbio veio de R$ 5,55 / dólar, em 19 de abril, para R$ 4,90/dólar em 24 de junho.
Uma quase unanimidade aponta como nexo causal desta apreciação o forte incremento dos termos de troca observados na composição da no

Debate eleitoral define rumos do País em 2022 Eduardo Jarra

Edição 336

Nos próximos meses a pandemia do Covid -19 infelizmente continuará sendo assunto central em nossas vidas. Ao que tudo indica, porém, é questão de tempo para que felizmente cheguemos a uma importante vitória com o avanço da vacinação e o retorno às nossas rotinas anteriores. Isso trará visíveis ganhos econômicos e de bem-estar social. Certamente é um motivo para celebrarmos, mas não podemos perder de vista os desafios relevantes do País que, se não endereçados, nos impedirão de atingirmos e sustentarmos o p

Apetite por risco desapareceu Guilherme Benites

Edição 336

Poucos meses atrás – mais precisamente no final de 2020 – vivíamos um momento de mercado em que as opiniões sobre a retomada da economia eram majoritariamente positivas. Aliadas ao cenário de juro historicamente baixo e ao enorme fluxo de liquidez que os Bancos Centrais despejaram no mercado, elas insistentemente nos diziam: finalmente chegou o momento que esperávamos há anos e agora sim a parcela de risco dos portfólios aumentará significativamente.
É estranho pensar que faz tão pouco tempo que isso

O verdadeiro papel dos institucionais em ESG Fabio Alperowitch

Edição 335

O vocábulo verdadeiro não foi inserido no título deste artigo ao acaso. Se há um papel verdadeiro, podemos inferir que haja dúvidas ou má compreensão sobre qual seja ele, sendo então este debate o objetivo desta leitura.
Para contextualizar, cabe rememorar que a sustentabilidade não tem nada de novo. A novidade é como ela tem sido tratada pelas empresas. Antes confinada aos setores de conformidade, agora alçada à mesa dos CEOs. Antes preocupada com a obtenção de licenças ambientais ou prevenção de mul

Discutindo o “novo consenso” Solange Srour

Edição 335

Trinta anos atrás, o economista John Williamson cunhou o termo “Consenso de Washington” para se referir a um conjunto de políticas econômicas e reformas que países da América Latina deveriam adotar para sair da crise da dívida externa dos anos 1980. Tais medidas incluíam: disciplina fiscal, melhor direcionamento dos gastos públicos (menos subsídios indiscriminados e mais gastos com saúde e educação), taxas de juros e de câmbio determinadas pelo mercado, livre comércio, privatizações, promoção da segurança

Subir juros é paliativo, mas a doença é outra Adriana Dupita

Adriana Dupita é economista da Bloomberg para Brasil e Argentina
Adriana Dupita é economista da Bloomberg para Brasil e Argentina

Edição 334

O fim do intenso primeiro trimestre de 2021 traz muitos desafios para o Brasil, e as nossas próprias respostas a estes desafios serão decisivas para a trajetória dos ativos brasileiros. A má notícia é que as respostas dadas até agora ficaram aquém do necessário. A boa é que ainda há tempo de fazer melhores escolhas.
O maior desafio de todos segue sendo combater o drama humano e econômico da pandemia de Covid-19. Em 2020, o Brasil foi um exemplo ao mundo nas medidas adotadas para minorar o impacto econ

A dualidade das empresas mistas Adacir Reis

Adacir Reis é advogado e autor do livro Curso Básico de Previdência Complementar
Adacir Reis é advogado e autor do livro Curso Básico de Previdência Complementar

Edição 334

Diante da tendência de haver maior exposição dos investidores institucionais brasileiros ao mercado de ações, o debate sobre a troca da direção da Petrobrás deve ser visto como algo necessário.
Descontada a forma atabalhoada como se deu o anúncio da troca no comando da estatal, que pode ter ocorrido por ímpeto ou por cálculo político, não há extravagância numa discussão referente aos rumos de uma companhia aberta de economia mista.
Segundo a Constituição Federal (art. 173), “a exploração da ativ

Três desafios na gestão de investimentos Fernando Lovisotto

Fernando Livisotto, sócio da Vinci Partners
Fernando Livisotto, sócio da Vinci Partners

Edição 333

Ao longo dos últimos 3 anos, principalmente, muito tem se falado sobre as dificuldades na obtenção de retornos condizentes com as metas atuariais (e expectativas de retornos no caso dos planos de contribuição definida). Realmente, houve uma grande mudança no nível da taxa de juros e, em especial, no nível das taxas de juros reais de curto prazo. No cenário global atual, em que temos baixas taxas de juros, e onde o Brasil está inserido, tal situação deve permanecer, fazendo com que o modelo de alocação que

Chegou a hora de pagar a conta Eduardo Yuki

Eduardo Yuki, economista-chefe da Par Panamby
Eduardo Yuki, economista-chefe da Par Panamby

Edição 333

A atividade mundial deverá apresentar forte crescimento nesse ano com o processo de vacinação e os enormes estímulos fiscais e monetários, especialmente nos países desenvolvidos.
Nos EUA, a imunização possibilitará o retorno gradual do convívio social e beneficiará o setor de serviços ao longo dos próximos trimestres. Além disso, o presidente Biden está trabalhando para aprovar mais um enorme pacote de estímulo fiscal e o FED tem sinalizado a disposição em manter a taxa de juros próxima de ze

Apesar da incerteza, sistema tem espaço para novos avanços Luís Ricardo Marcondes Martins

Luís Ricardo Marcondes Martins, Diretor-Presidente da Abrapp
Luís Ricardo Marcondes Martins, Diretor-Presidente da Abrapp

Edição 332

A palavra incerteza, substantivo feminino cuja frequência nas análises do que foram os últimos meses e do que ainda está por vir, mais do que se justifica ao examinar o futuro. Exaustivamente repetida seja por simples prudência ou mesmo justificado senso de realidade, é um termo que vem à cabeça dos dirigentes de nossas entidades nesse limiar de 2021.
Tanta incerteza, é verdade, nos torna a todos inevitavelmente mais cautelosos, mas nem por isso pessimistas, já que as EFPCs, como obra coletiva que são