Mainnav

As vantagens da gest√£o terceirizada
Luiz Sorge

Edição 363

A ind√ļstria de Fundos de investimentos somava em novembro de 2023, segundo dados da Anbima, R$ 8,26 trilh√Ķes. Desse total: R$ 831 bi pertencem aos Fundos de Pens√£o; R$ 207 bi correspondem a Regimes Pr√≥prios de Estados e Munic√≠pios; R$ 1,22 tri s√£o recursos de Entidades Abertas de Previd√™ncia Complementar (PGBL, VGBL e antigos planos abertos); e R$ 189 bi s√£o reservas de seguradoras.
Portanto podemos dizer que os investidores institucionais acima elencados representam aproximadamente 30% do total de recursos dos Fundos de Investimento. Ou seja, a ind√ļstria de fundos √© importante para este segmento, da mesma forma que os institucionais s√£o importantes para as empresas de asset management, bem como para administradores fiduci√°rios, custodiantes e consultores.
Ainda a t√≠tulo informativo, vale citar que hoje existem no ranking Anbima 968 gestores de recursos de terceiros, devidamente registrados na CVM, sendo que os primeiros 20 concentram R$ 5,8 trilh√Ķes ou 70% dos ativos sob gest√£o de toda a ind√ļstria.
Tenho insistido com os colegas de mercado, principalmente nos f√≥runs de discuss√£o da Anbima, que devemos fazer uma maior divulga√ß√£o das vantagens de se investir via fundos. O aprimoramento do arcabou√ßo regulat√≥rio e a evolu√ß√£o da autorregula√ß√£o levaram os fundos de investimento a um n√≠vel de governan√ßa e transpar√™ncia √ļnico quando comparados a outras formas de se investir. Assim, descrevo aqui aquelas que considero as principais caracter√≠sticas desse ve√≠culo:
I - Especialistas: Hoje os grandes gestores, locais e globais, presentes no Brasil possuem estruturas com profissionais especialistas para cada mercado ou estrat√©gia, acompanhando todos os movimentos em tempo real, discutindo entre si as correla√ß√Ķes e intera√ß√Ķes entre c√Ęmbio, juros, infla√ß√£o, renda vari√°vel, cr√©dito, crescimento, entre outros aspectos;
II - Gest√£o de Riscos: Poucos sabem a quantidade e a qualidade de controles que um gestor acompanha no dia-a-dia, como os de liquidez, mercado, cr√©dito, operacional, concentra√ß√£o & diversifica√ß√£o de ativos, concentra√ß√£o de passivo (no caso de fundos m√ļtuos), tudo registrado e discutido em Comit√™s. Havendo ruptura de algum limite, mesmo que interno, este tamb√©m √© registrado, sendo implementada uma a√ß√£o de remedia√ß√£o visando mitiga√ß√£o de recorr√™ncia;
III - Compliance: A melhor defini√ß√£o que j√° ouvi √© que a √°rea e os controles de Compliance s√£o como os freios de um ve√≠culo. E se esse ve√≠culo tiver um bom motor, pot√™ncia, performance e quiser atingir alta velocidade, seu freio deve ser muito bom para poder evitar um acidente em caso de necessidade ou evento inesperado. Mas √© l√≥gico que as √°reas de Compliance tamb√©m atuam na preven√ß√£o atrav√©s do conhecimento trazido pelos in√ļmeros treinamentos ligados √†s normas internas das empresas de gest√£o e externas do mercado. Por esse motivo sempre devemos apoiar a implementa√ß√£o de regras r√≠gidas para verifica√ß√£o de conformidade com as pol√≠ticas internas, com a autorregula√ß√£o, com a regula√ß√£o e com as especificidades de cada mandato;
IV - ASG: O c√≥digo ASG (Ambiental, Social e de Governan√ßa) da Anbima trouxe crit√©rios para que um Fundo de Investimento seja considerado IS (Investimento Sustent√°vel) e pol√≠ticas para a integra√ß√£o de par√Ęmetros ASG no processo de investimento. A CVM publicou em outubro de 2023 a Resolu√ß√£o n¬ļ 193 que traz a obriga√ß√£o da elabora√ß√£o e divulga√ß√£o de informa√ß√Ķes financeiras relacionadas √† sustentabilidade, com base no padr√£o internacional emitido pelo ISSB ‚Äď International Sustainability Standards Board, al√©m disso est√° na fase final para aprovar a primeira taxonomia verde no pa√≠s. √Č l√≥gico que existe uma curva de aprendizagem, mas o alinhamento entre o regulador e o mercado tem sido fundamental para que o investidor gradativamente passe a se beneficiar de Investimentos Sustent√°veis com regras equalizadas aos padr√Ķes globais.
V - Diversifica√ß√£o de estrat√©gias: Hoje temos dentro de cada uma das 3 principais categorias de fundos l√≠quidos - renda fixa, multimercado e a√ß√Ķes - ao menos mais 4 grandes subcategorias, perfazendo no m√≠nimo 12 tipos de estrat√©gias poss√≠veis. Se formos considerar o segmento de Estruturados, que inclui Fundo Imobili√°rio, FIP, FIDC... chegaremos facilmente a 20 possiblidades. E tem ainda a aloca√ß√£o em ativos e estrat√©gias globais, que torna mais necess√°ria uma an√°lise completa da carteira versus os seus objetivos. Dessa forma, pensando na diversifica√ß√£o de aloca√ß√£o e varia√ß√£o de limites, as possibilidades s√£o quase infinitas. Muitas gestoras hoje possuem √°reas de Fundos de Fundos, e baseadas nos objetivos dos investidores, nos seus horizontes de investimento e apetite a risco, podem fazer a diversifica√ß√£o atrav√©s de modelos propriet√°rios que busquem maior retorno com risco controlado.
VI - Transpar√™ncia. Esse relevante quesito tem abaixo os seus principais destaques: Pre√ßos de compra e venda de ativos com divulga√ß√£o p√ļblica, registrados e contabilizados diariamente; Custos associados √† gest√£o, cust√≥dia, administra√ß√£o fiduci√°ria e distribui√ß√£o, registrados, contabilizados e auditados; Conforme determina a CVM, qualquer receita adicional auferida pelo gestor como consequ√™ncia da gest√£o de um dado fundo, deve ser revertida para este; Hoje existem v√°rios sistemas e fontes que permitem ao investidor comparar facilmente estrat√©gias equivalentes para uma melhor tomada de decis√£o; Total seguran√ßa e segrega√ß√£o da atividade banc√°ria, ou seja, quando uma asset √© ligada a um banco, todas as suas atividades s√£o segregadas. Adicionalmente os recursos dos investidores s√£o enviados e detidos sob o CNPJ do Fundo, n√£o se misturando com os recursos pr√≥prios de nenhuma institui√ß√£o financeira ou gestor.
VII - Regula√ß√£o: A nova Instru√ß√£o CVM n¬ļ175 al√©m de estar trazendo maior transpar√™ncia e menor custo regulat√≥rio, quando implementada em sua totalidade permitir√° mais simplicidade para estruturas devido √† possibilidade de classes e subclasses de fundos. Assim diminuir√° a necessidade das estruturas dos chamados ‚ÄúMasters e Feeders‚ÄĚ, para atender diferentes p√ļblicos ou estabelecer caracter√≠sticas espec√≠ficas. N√£o vou me ater muito √† CVM 175 pois esse tema merece um cap√≠tulo pr√≥prio, que n√£o √© o objetivo √ļnico deste artigo.
VIII - Autorregula√ß√£o: Em comum acordo com o mercado e a CVM, a Anbima promove constantes evolu√ß√Ķes em seus c√≥digos de autorregula√ß√£o, que permitem uma melhor governan√ßa de todos os atores, produtos e servi√ßos do mercado financeiro e de capitais. Para tanto tem sido fundamental a intera√ß√£o com organismos internacionais para refletir aqui no pa√≠s pol√≠ticas que mitiguem riscos sist√™micos.
Sob a √≥tica do investidor, potencialmente todo esse ecossistema descrito pode ser percebido como algo complexo e eventualmente caro. Por√©m quem v√™ de dentro todas as partes do conjunto funcionando harmonicamente e em seguran√ßa, tende a dar mais valor ao ve√≠culo do que aquele que observa de fora ou com alguns ‚Äúpr√©-conceitos‚ÄĚ estabelecidos.
E ao descrever esses oito pontos, naturalmente penso que a gest√£o terceirizada √© uma das formas de assegurar as melhores condi√ß√Ķes para manuten√ß√£o de capital juntamente com a busca de oportunidades no longo prazo, caracter√≠sticas intr√≠nsecas dos Fundos de Pens√£o. Assim, listo as vantagens que vejo na terceiriza√ß√£o:
- Mitigação de riscos fiduciários aos diretores responsáveis nas EFPC;
- Todos os gestores externos ficam sujeitos a regras equ√Ęnimes para eventual trocas aportes e resgates;
- Gest√£o independente, que apesar de direcionada por Pol√≠tica de Investimento definida pela EFPC, evita inger√™ncias que poderiam levar a decis√Ķes precipitadas de aloca√ß√£o ou realoca√ß√£o;
- Parte do risco e custo regulatório também é terceirizada;
- Maior transparência no custo total envolvido na operação de gestão dos seus ativos;
- Redu√ß√£o de investimentos e atualiza√ß√Ķes constantes de sistemas para estar em conformidade com a regula√ß√£o emanada pela CVM e autorregula√ß√£o da Anbima.
Faço aqui a importante ressalva de que existem profissionais e equipes de Fundos de Pensão fazendo um ótimo trabalho de gestão própria.
Tamb√©m vale a pena trazer mais alguns dados: Dos 831 bilh√Ķes reais dos Fundos de Pens√£o alocados em Fundos de Investimento, 427 bilh√Ķes correspondem a entidades ligadas a empresas p√ļblicas, neste caso 50% dos recursos est√£o em fundos sob gest√£o pr√≥pria, n√£o terceirizada. No caso dos 403 bilh√Ķes das entidades ligadas a empresas privadas, apenas 6% s√£o geridos dentro de casa.
A avers√£o a risco dos √ļltimos anos, o recente ciclo de aperto monet√°rio e a concorr√™ncia de t√≠tulos incentivados para pessoas f√≠sicas, tem levado a ind√ļstria a sofrer resgates l√≠quidos nos √ļltimos 2 anos. Em 2023 sa√≠ram 128 bilh√Ķes de fundos, sendo 70% de Multimercados. Esse movimento deve se reverter em 2024 e 2025 quando deveremos ter a taxa de juro Selic voltando ao patamar de um d√≠gito e um ambiente econ√īmico mais est√°vel.
Por fim, se faz necess√°rio sempre refor√ßar e reconhecer a solidez e seguran√ßa da ind√ļstria de fundos em nosso pa√≠s, bem como a qualidade das empresas que gerem recursos de terceiros, que cumprem todos os dias com o seu dever fiduci√°rio. E tenham certeza de que essa ind√ļstria trabalha e continuar√° trabalhando em prol da poupan√ßa de longo prazo dos brasileiros, lado a lado com os Investidores Institucionais.

Luiz Sorge é head Latam e CEO Brasil da BNP Paribas Asset Management