Mainnav

OABPrev-RS para filiações

Edição 367

A OABPrev-RS, fundo de pensão da OAB do Rio Grande do Sul, teve que suspender algumas atividades que estavam programadas para ocorrer no mês de maio, destinadas a levar suas mensagens a novos públicos e ampliar a rede de associados, devido à catástrofe que atingiu o estado gaúcho nesse mês. “A gente tinha várias ações programadas, mas tivemos que suspender”, conta a diretora financeira da entidade, Claudia Regina de Souza Bueno. “Todo o planejamento foi suspenso, porque entramos em home office e não tínhamos ideia de quando voltaríamos.”
O fundo de pensão dos advogados gaúchos, assim como muitas atividades de empresas gaúchas, viu o primeiro andar de sua sede administrativa sob as águas. Porém, como os equipamentos de TI ficam no terceiro andar, eles foram preservados. A eletricidade foi cortada para evitar picos de energia que pudessem, de alguma forma, colapsar os equipamentos.
Durante o período em que as águas permaneceram altas a sede da fundação não funcionou e os funcionários trabalharam em regime de home office. De acordo com Bueno, poucos funcionários da entidade foram diretamente afetados pelas inundações, sofrendo alagamentos em casa e perda de bens. Uma das colaboradoras, entretanto, teve que abrigar parentes em casa pois esses tiveram a casa inundada.
A migração do trabalho presencial para o home office foi feita sem grandes dificuldades, uma vez que durante a pandemia esse regime já havia sido usado com êxito. Com o TI preservado, assim que a eletricidade voltou os funcionários conseguiram rodar a folha de pagamento dos aposentados de forma remota, assim como processar a arrecadação das contribuições. O retorno às atividades 100% presenciais ocorreu em 6 de junho.
Ela espera que, agora que o auge da catástrofe já passou, associados da entidade entrem com pedidos de resgate de recursos para enfrentar as dificuldades da reconstrução de casas e escritórios. Esses pedidos não foram significativos durante as enchentes, porque as pessoas estavam focadas na situação de emergência. “Não só na OAB, mas nos outros fundos de pensão, acho que os pedidos de resgate de recursos vão aumentar”, diz.
Os recursos devem ser usados não apenas na reconstrução de casas e escritórios, mas também no sustento de advogados, uma vez que no mês de maio as atividades de muitos profissionais da área foram interrompidas e afetaram suas fontes de renda. Por conta disso, a instituição está suspendendo temporariamente as contribuições dos associados, inclusive aquelas relacionadas a riscos.
A fundação já começa a se preparar para retomar os eventos que realiza, tradicionalmente, para conquistar novos aderentes aos planos. Um dos temas que será abordado nesses eventos será as consequências das enchentes na economia gaúcha.