Mainnav

Previ tem rentabilidade negativa nos dois planos e superávit cai

PreviA Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, publicou nesta terça-feira (11/6) os resultados de abril dos seus dois principais planos, o Plano 1 e o Previ Futuro, ambos com rentabilidades negativas no mês e no acumulado do ano.
Com uma carteira de R$ 230,58 bilhões, o Plano 1, de Benefício Definido (BD), obteve uma rentabilidade negativa de -0,45% no mês e de -0,61% no acumulado do ano. Com isso, o seu superávit acumulado, que era de R$ 14,49 bilhões ao final do ano passado, desceu para R$ 5,07 bilhões no final de abril.
Já o Previ Futuro, um plano de Contribuição Variável (CV) cuja carteira de investimentos somava R$ 32,39 bilhões ao final de abril, fechou com queda de -1,13% no mês e de -1,16% no acumulado do ano. Todos os perfis e ciclos de vida desse plano estão negativos no acumulado do ano: o perfil conservador está em -1,01%, o moderado em -1,09%, o arrojado em -1,21% e o agressivo em -1,33%; o ciclo de vida 30 rendeu -1,07%, o ciclo 40 -1,18%, o ciclo 50 -1,3% e o ciclo 50 -1,37%.
Segundo nota publicada pela fundação, “mesmo diante do cenário adverso os planos da Previ seguem resilientes (pois) o excelente desempenho assegurado em 2023 mantém o Plano 1 em equilíbrio, com superávit acumulado de R$ 5,07 bilhões”.

Segmentos - No Plano 1, a renda fixa rendeu 0,35% em abril para um benchmark de 0,78%, enquanto a renda variável rendeu 0,73% para um benchmark de -1,66% (basicamente em função da carteira de Participações). Investimentos imobiliários alcançou 0,74% para um benchmark de 0,94% e investimentos estruturados obteve -0,87% para benchmark de 0,94%. Investimentos no exterior perdeu -2,13% para benchmark de -0,45% e operações com participantes ganhou 1,19% para benchmark de 0,76%.
Já no Previ Futuro, a renda fixa rendeu -1,05% em abril para um benchmark de 0,7%, enquanto a renda variável rendeu -1,94% para um benchmark de -1,66%. Investimentos imobiliários atingiu 0,03% para um benchmark de 0,94% e investimentos estruturados obteve -0,99% para benchmark de 0,94%. Investimentos no exterior perdeu -1,07% para benchmark de -0,45% e operações com participantes ganhou 1,18% para benchmark de 0,75%.