Mainnav

Minardi é reconduzido para novo mandato de dois anos na Abvcap

MinardiPiero1

A Abvcap, associação que representa os gestores de private equity e venture capital, reconduziu o atual presidente, Piero Minardi, para um novo mandato de dois anos. O primeiro mandato de Minardi, que deveria ter acabado no ano passado mas foi estendido em mais um ano devido ao surgimento da Covid-19, acabou durando excepcionalmente três anos. Junto com ele assumem os vice-presidentes Francisco Sanches Neto, da Lions Trust, e Anderson Tees, da Redpoint Eventures.
Minardi, que √© executivo da Warburg Pincus, resume em tr√™s pontos as prioridades do seu novo mandato. O primeiro √© dar sequ√™ncia √†s discuss√Ķes com a Receita Federal, que tomaram grande parte do seu tempo no primeiro mandato, sobre a tributa√ß√£o de ganhos dos investidores estrangeiros em fundos de participa√ß√Ķes (FIPs). Apesar da legisla√ß√£o isentar de tributa√ß√£o desses cotistas, desde que tenham menos de 40% do fundo e n√£o estejam localizados em para√≠sos fiscais, a Receita alegava que o direito √† isen√ß√£o valia apenas para os usu√°rios finais, ou seja aqueles que se encontravam na ponta final de algumas estruturas de investimento. Com isso pretendia evitar que brasileiros que investissem anonimamente atrav√©s dessas estruturas fossem indevidamente beneficiados, provocando uma queda de bra√ßos com a Abvcap que alegava que nem sempre √© poss√≠vel abrir essas estruturas para conhecer os usu√°rios finais.
Não foi um embate simples, mas segundo Minardi a questão está pacificada na questão do cotista final. Restam discutir alguns detalhes sobre a definição do investidor estrangeiro, mas que não tomarão neste mandato o mesmo tempo que tomaram no primeiro.

Previc e TCU - A segunda prioridade tamb√©m envolve interlocu√ß√£o com √≥rg√£os p√ļblicos de Bras√≠lia, uma vez que Previc e TCU, nas palavras de Minardi, est√£o ‚Äútendo uma m√£o muito pesada e descalibrada‚ÄĚ sobre os fundos de pens√£o que investem em fundos de private equity e venture capital. ‚ÄúS√£o feitos questionamentos sobre investimentos que tiveram preju√≠zos, as vezes sobre a venda de um ativo do fundo, mostrando que n√£o h√° um entendimento muito claro por parte desses √≥rg√£os em rela√ß√£o ao funcionamento desse tipo de fundo‚ÄĚ, diz. ‚ÄúIsso est√° afastando os fundos de pens√£o e os RPPSs desses ve√≠culos‚ÄĚ.
Ele ressalta que esses questionamentos da Previc e TCU referem-se a investimentos atuais e n√£o √†queles que no passado foram envolvidos em opera√ß√Ķes como Lava Jato e Greenfield. ‚ÄúS√£o investimentos recentes, os questionamentos s√£o feitos por quem n√£o tem familiaridade com o que √© esse tipo de ind√ļstria l√° fora‚ÄĚ, diz. ‚ÄúEm private equity, sempre alguns investimentos v√£o ganhar dinheiro e outros v√£o perder, isso √© do jogo, n√£o d√° para multar por causa disso‚ÄĚ.
Segundo ele, isso est√° ocorrendo justamente num momento em que as funda√ß√Ķes v√™m as taxas de juros atingirem m√≠nimas hist√≥ricas, quando deveriam estar investindo pelo menos 5% das suas carteiras nessa classe de ativos para ajudar a atingir suas metas atuariais. Al√©m disso, segundo o presidente da entidade, hoje o mercado brasileiro conta com uma safra de gestores de private equity e venture capital que est√° entregando resultados muito bons. ‚ÄúMas esses bons resultados est√£o sendo apropriados por investidores gringos, ao inv√©s de estarem indo para os institucionais brasileiros‚ÄĚ, diz.

Venture capital - A terceira prioridade de Minardi nesse segundo mandato √© dar maior relevo ao segmento de venture capital, que at√© o momento n√£o tem tido o espa√ßo devido na entidade. Nessa diretoria, um dos dois vice-presidentes, Anderson Tees, pertence a uma empresa de venture capital, a Redpoint. ‚ÄúEstamos inclusive atrasados com rela√ß√£o a isso, o venture capital j√° era para estar mais representado na nossa entidade h√° mais tempo‚ÄĚ, diz. ‚ÄúEmbora o private equity e o venture capital tenham uma pauta comum, tem algumas pautas que s√£o espec√≠ficas do venture capital e o Anderson vai liderar isso‚ÄĚ.
Minardi conta que no ano passado o segmento de venture capital fez mais investimentos, em valores absolutos, do que o private equity, sendo a primeira vez na hist√≥ria do setor que isso acontece. ‚ÄúIsso n√£o √© normal, porque os cheques de private equity geralmente s√£o maiores, acho que no ano passado a pandemia mudou um pouco a l√≥gica‚ÄĚ, finaliza.