Mainnav

BCE eleva juros europeus em 0,50 pontos, impactando bolsa e dólar

A decisão do Banco Central Europeu (BCE) de elevar nesta quinta-feira (21/7) a taxa de juros em 0,50 pontos percentuais pegou de surpresa o mercado internacional, que esperava uma alta de 0,25 pontos. A alta dos juros europeus, instrumento para tentar segurar a inflação no velho continente, fez recuar o dólar e subir as bolsas internacionais, e trouxe reflexos equivalentes no Brasil. Aqui, o dólar comercial fechou a R$ 5,4970, com alta de 0,64%, e o Ibovespa aos 99.033 pontos, subindo 0,75%.
No Brasil, além do impacto da alta dos juros

Dólar alcança maior valor em seis meses e Ibovespa fecha estável

Em mais um dia de volatilidade no mercado financeiro, o dólar subiu para o maior valor em seis meses e a bolsa de valores, que iniciou o dia em queda, reagiu durante a tarde e fechou praticamente estável. O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (20/7) vendido a R$ 5,461, com alta de 0,74%, enquanto o Ibovespa fechou aos 98.287 pontos, com alta de 0,04%.
Fatores internos e externos influíram no mercado financeiro nesta quarta. As tensões políticas internas, por conta das investidas do presidente Jair Bolsonaro contra a segurança das

Ibovespa sobe acima dos 98 mil pontos e dólar fica estável

Em um dia de indefinições e expectativas, o Ibovespa fechou em alta pelo terceiro pregão consecutivo, superando os 98 mil pontos pela primeira vez desde o último dia 12. O principal índice da B3 fechou aos 98.245 pontos. Já o dólar fechou praticamente estável após cair mais de 1% no início da tarde, vendido a R$ 5,42. A moeda norte-americana acumula alta de 3,53% em julho.
A alta do Ibovespa está em linha com o movimento do mercado norte-americano, onde os principais índices de ações também subiram nesta terça-feira. O Dow Jones subiu 2

Novo presidente da CVM toma posse prometendo ser “Regulador Tech”

João Pedro Nascimento, novo presidente da CVM
João Pedro Nascimento, novo presidente da CVM

Tomou posse na manhã desta segunda-feira (18/7) o novo presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), João Pedro Nascimento, para um mandato de cinco anos que vai até 14 de julho 2027. Ele substitui Marcelo Barbosa que deixa a autarquia após dirigí-la por cinco anos, desde 2017. “Desenvolverei um mandato técnico, independente e fundado em formação acadêmica, experiência profissional e espírito público, com o firme propósito de fortalecer a CVM, valorizar o corpo de servidores, prestigiar o Colegiado e contribuir para o desenvolvimento

Nascimento assume a presidência da CVM nesta segunda-feira

Toma posse nesta segunda-feira (18/7) como presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o advogado e professor João Pedro Nascimento, substituindo Marcelo Barbosa que deixa a autarquia após dirigí-la desde 2017. Indicado para o cargo em abril último pelo presidente Jair Bolsonaro e aprovado em sabatina realizada no mesmo mês pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Nascimento terá um mandato de cinco anos, até 14 de julho 2027.
Nascimento assume a autarquia em meio à importantes mudanças no marco das ofertas púb

Acompanhando mercado global, Ibovespa cai e dólar fecha em alta

O pessimismo dos mercados globais continuou pressionando o Ibovespa e o câmbio nesta quinta-feira (14/7), com o primeiro fechando em queda de 1,79%, aos 96.120 pontos, e o segundo subindo 0,51%, cotado a R$ 5,432. A alta da inflação de consumo nos Estados Unidos em junho, divulgada ontem, assim como da elevação dos preços das commodities em razão da guerra na Ucrânia e lockdowns na China, favoreceram o pessimismo dos mercados globais. O mercado teme que o Fomc (Comité de Política Monetária do Fed), que se reúne no final deste mês, na tentati

Ibovespa cai e fecha abaixo dos 97 mil pontos

O principal índice da B3, o Ibovespa, fechou em queda de 0,39% nesta quarta-feira (13/7), aos 97.881,16 pontos. O mercado local seguiu o pessimismo do mercado norte-americano, que também fechou em queda surpreso com a inflação divulgada hoje pelo Departamento do Trabalho dos EUA para o mês de junho. A taxa ficou em 1,3% no mês, acima do 1% esperado pelos agentes econômicos, indicando uma inflação acumulada de 9,1% em doze meses. É a maior taxa em quarenta anos nos Estados Unidos.
Com a inflação em alta, cresce o temor de que o comitê de

Ibovespa tem leve alta e dólar chega a R$ 5,43

O principal índice da B3, o Ibovespa, fechou nesta terça-feira em leve alta de 0,05%, aos 98.271,21 pontos, na contramão do mercado norte-americano onde as duas principais bolsas fecharam em queda. O giro financeiro foi pequeno, de apenas R$ 19,6 bilhões. Já o dólar subiu 1,24%, fechando a R$ 5,4390, refletindo melhor o temor dos investidores globais em relação à possível recessão nos Estados Unidos, assim como novos lockdowns na China.

Ibovespa volta a operar abaixo dos 100 mil pontos e dólar sobe

O nervosismo dos mercados globais, por receio de que a economia norte-americana entre em recessão, voltaram a pressionar as bolsas e o dólar nesta segunda-feira (11/7). O Ibovespa fechou aos 98.212 pontos, com recuo de 2,07%, enquanto o dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,371, com alta de 1,96%.
O receio de uma recessão nos Estados Unidos não foi o único fator a pressionar os mercado. A China anunciou novos lockdowns para conter a disseminação da Covid-19, fazendo com que os preços de commodities como petróleo e minério de ferro

Ibovespa supera 100 mil pontos e dólar cai

Bolsa e dólar, que nos últimos dias vinham refletindo o mau humor do mercado em relação à possibilidade de recessão nos Estados Unidos, lock-downs na China e PEC Kamikaze no Brasil, reagiram hoje com o Ibovespa fechando em alta de 2,03%, aos 100.729 pontos, e o dólar caindo -1,43%, para R$ 5,3440.
Embora nenhuma das três condições que estavam provocando a queda do Ibovespa e a alta do dólar tenha se alterado significativamente, o mercado se acomodou a elas. O mercado assimilou bem o compromisso do Fed de buscar controlar a inflação nort