Mainnav

BTG Pactual compra Necton por R$ 348 milhões

O BTG Pactual anunciou nesta segunda-feira (26/10) a aquisição de 100% do capital social da corretora Necton, por R$ 348 milhões. "Esta aquisição faz parte da estratégia de expansão do BTG Pactual no segmento de varejo de investimentos. A intenção do Banco é manter a marca e a operação independentes", informa o banco, em comunicado.
Fruto da união entre as corretoras Spinelli e Concórdia, a Necton soma R$ 16,1 bilhões em ativos sob custódia. A conclusão e fechamento da operação estão sujeitos à verificação de determinadas condições precedentes, incluindo a obtenção de todas as aprovações regulatórias necessárias, inclusive do Banco Central do Brasil.

Economista Bruno Castro assume comando da XP Asset Management

XP Logo1A XP Asset Management anunciou hoje o economista Bruno Castro como seu novo CEO, em substituição a Marcos Peixoto que passa a se dedicar exclusivamente à gestão das estratégias de renda variável. Com 19 anos de experiência no mercado financeiro, o executivo passa a comandar uma gestora com cerca de R$ 80 bilhões de ativos sob gestão e um time de mais de 100 profissionais.
Castro trabalhou no Itaú Unibanco por 12 anos até agosto último, sendo quase 10 anos na área de funds of funds. Anteriormente, tem passagens por Mauá Capital, Banco Alfa e Ipea. É formado em Economia pela UnB e mestre em finanças pelo Insper. "Temos como objetivo ser uma gestora referência na indústria brasileira, com foco em performance, produtos inovadores e na melhor entrega para todos os nossos clientes, sejam eles de varejo ou institucionais. Ao longo do tempo, buscamos um forte crescimento dos ativos sob gestão, além de seguir transformando e democratizando o mercado financeiro. Estou muito feliz com esse novo desafio, e agradeço pela confiança e pelo apoio de todo o time", afirmou em nota.

Fundos registram resgates líquidos de 4,3 bilhões entre 1º e 16 outubro

Os fundos de investimento tiveram resgates líquidos R$ 4,3 bilhões de 1º até 16 de outubro, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Na semana entre 12 e 16 de outubro, a indústria registrou captação líquida positiva de R$ 9 bilhões, influenciada pelos fundos de renda fixa, com entradas de R$ 11,2 bilhões. Na sequência, aparecem os fundos de participações (FIPs), com saldo positivo de R$ 89,1 milhões.
As demais classes de fundos apresentaram resgates líquidos no período. Os multimercados foram os mais afetados, com saídas de R$ 606,2 milhões, seguidos dos ETFs (R$ 512,1 milhões), dos FIDCs (R$ 487,8 milhões, mas com saída concentrada de R$ 590 milhões em um único fundo), ações (R$ 470,5 milhões), previdência (R$ 180,1 milhões) e cambiais (R$ 59,1 milhões).
Até 16 de outubro, a indústria de fundos acumula captação líquida positiva de R$ 194,1 bilhões e patrimônio líquido de R$ 5,8 trilhões.

Anbima assume presidência de entidade internacional de fundos

Zeca Doherty AnbimaA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) assumiu nesta terça-feira, na figura do superintendente-geral, Zeca Doherty, a presidência da Associação Internacional de Fundos de Investimento (IIFA). A entidade, sediada no Canadá, tem como membros 41 associações de fundos de investimento, sendo 22 entidades européias, onze da Asia&Pacífico, cinco da América do Sul e Central, duas da América do Norte e uma da África. No total, representa US$ 54,9 trilhões em ativos sob gestão.
A presidência da entidade é alternada a cada dois anos, promovendo um rodízio entre as regiões. “Somos a única entidade autorreguladora entre os associados, o que dá mais legitimidade à IIFA para as discussões com os reguladores internacionais”, diz Doherty, em nota. A Anbima é associada da IIFA desde 2003 e já ocupou a cadeira da presidência com Eduardo Penido nos anos de 2011 a 2013.

Carlos Salamonde assume a posição de CEO da asset do Itaú

Carlos Augusto Salamonde1Carlos Augusto Salamonde é o novo CEO da asset do Itaú, no lugar de Rubens Henrique que deixou a instituição há cerca de um mês. CAS, como é mais conhecido no mercado, estava à frente da diretoria de Investment Services and Operations (Diso) do banco desde meados de 2018, e ainda não há um nome definido para ocupar sua antiga posição.
É o terceiro a assumir o comando da asset em pouco mais de um ano. Seu antecessor, Rubens Henrique, ficou pouco mais de um ano no comando da gestora. Henrique tinha sido guindado ao cargo em maio de 2019, no lugar de Marcello Siniscalchi que também a dirigiu por pouco tempo, menos de meio ano de forma exclusiva. Antes, por três anos, Siniscalchi compartilhou o comando com Fernando Beyruti, que tornou-se CEO da área de private do Itaú nos Estados Unidos em janeiro de 2019 e deixou o leme da asset exclusivamente nas suas mãos.
Assim como seus antecessores, Salamonde é um profissional experiente e com longo histórico de Itaú. Henrique tinha um histórico de 13 anos na asset e Sinescalchi tinha 17 anos de asset e mais cinco de Itaú BBA, num total de 22 anos de casa.
Já Salamonde divide sua história no banco em duas etapas. Ele começou no Itaú em meados de 2003, na Intrag, a controlada do banco que opera com custódia e administração fiduciária. Foi para a asset em meados de 2008, como supervisor comercial, de onde saiu três anos depois convidado pelo J.P. Morgan para ser o CEO da sua asset no Brasil. Ficou naquela casa por dois anos e meio, de onde transferiu-se para o BNY Mellon para comandar a área de servicing, onde permaneceu até meados de 2018, quando retornou para o Itaú para assumir a direção da Diso.
Ele não quis dar entrevista para falar sobre sua ida para a asset. Segundo explicações da área de comunicação do banco, ele não falaria antes de que a sucessão na Diso estivesse concluída. A áre de comunicação informou que não há um prazo para isso acontecer.
De acordo com uma fonte do mercado, a nova posição de Salamonde é muito mais importante na estrutura do banco do que a Diso. “A área de service é responsável por um caminhão de dinheiro, mas devido às taxas baixíssimas no final do dia você ganhou pouco. Já na asset é diferente, as taxas são maiores e você vê os resultados no final do dia”, explica a fonte. “Dirigir a asset do Itaú é uma posição de destaque na estrutura do grupo”.

Leandro Saliba troca Butiá por AF Invest

Leandro Cyrino Saliba deixa a Butiá Investimentos, onde atuava como portfólio manager, para exercer a mesma função na AF Invest, gestora mineira que tinha R$ 2,89 bilhões sob gestão em 30 de junho último, segundo o ranking Top Asset da Investidor Institucional. Saliba esteve na Butiá por nove meses e, antes disso, foi por seis anos CIO da BS2 Asset. É formado em administração de empresas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG).

Márcio Padilha vai para Kinea atender o atacado

Márcio Padilha troca a área de relacionamento com clientes institucionais do Itaú pelo segmento de atacado da Kinea, gestora controlada pelo banco, onde irá atender além dos institucionais também os distribuidores e alocadores.
Padilha está há 29 anos no Itaú e há dez anos atua na área de relacionamento com clientes institucionais. É formado em administração de empresas e possui especialização em gestão atuarial e finanças.

MAG Investimentos lança fundo ESG

A MAG Investimentos, gestora de ativos do Grupo Mongeral Aegon, está lançando um fundo ESG (de Ambiental, Social e Governança) para investimentos no exterior. O multimercado MAG Global Sustainable FIM IE está sendo lançado em parceria com Aegon Asset Management e já possui patrimônio líquido de 200 milhões de euros globalmente.
Com foco em diversificação de mercados acionários globais, alinhado aos critérios ESG, o multimercado não possui limite de concentração dos investimentos em nenhuma região ou setor específico. Busca identificar as melhores oportunidades de investimentos, por meio de análises "Bottom-up", priorizando empresas e setores com baixo impacto ambiental na seleção de ativos.

Órama lança selo ESG para fundos disponíveis na plataforma

A Órama lançou um selo ESG (ambiental, social e de governança), que passará a certificar os fundos disponíveis na plataforma alinhados com estes propósitos. De mais de 600 fundos disponíveis na plataforma, quatro receberão o selo neste primeiro momento, criado e concedido pela própria Órama. “A ideia é estimular que outros fundos também adotem práticas ESG para que essa lista cresça”, afirma Habib Nascif Neto, CEO da Órama, em nota.
Os primeiros quatro fundos a receberem o selo da plataforma são o Empírica Vox Impacto FIC FIM CP (IQ), o SulAmérica Total Impacto FIA, o Fama Ações FIC FIA e o JGP ESG FIC FIA (IQ). A certificação é feita com base na avaliação de critérios adotados pelos próprios gestores, alguns aderentes a compromissos como o PRI (Principles for Responsible Investment).
“A rentabilidade acaba sendo uma consequência das boas práticas adotadas, que vão atrair colaboradores engajados, consumidores conscientes e evitar impactos socioambientais negativos”, diz Sandra Blanco, estrategista-chefe da Órama.
A corretora lançou também uma carteira recomendada de fundos ESG. “Devido às características dos produtos que receberão o selo, a carteira é adequada ao investidor qualificado e com horizonte de longo prazo. A nossa primeira carteira terá mínimo de investimento de R$ 35 mil”, explica a nota da Órama.

Roberto Vidal se junta ao time da Norte Asset

Roberto Vidal vai para a Norte Asset Management, uma gestora criada neste ano para atuar principalmente no segmento de equities. A casa, fundada pelo ex-diretor do Credit Suisse Gustavo Salomão, ainda aguarda autorização para lançar seu primeiro fundo, um Long Bias, provavelmente em dezembro deste ano ou janeiro do ano que vem.
Na nova casa, Vidal será o sócio responsável pelo relacionamento com investidores, atividade que exercia na Argumento, uma gestora onde esteve no último ano e meio, e anteriormente na Porto Seguro Investimentos, por dois anos.
Formado em administração de empresas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Vidal tem passagens anteriores pela Bozano Investimentos, Sul América Investimentos, DLM Invista, HSBC e Unibanco Asset Management (UAM).