Mainnav

Cecilio é o novo head de vendas da S3 Caceis

Fábio Marcondes Cecilio é o novo head de vendas e de relacionamento da S3 Caceis, a empresa de custódia e administração fiduciária do Santander. Ele está na empresa há um ano e meio, ocupando anteriormente o cargo de gerente executivo CRM, e há 15 anos no grupo Santander. É formado em administração de empresas pela PUC de São Paulo e tem MBA em finanças pela Saint Paul.

BC autoriza compra da área de administração do Modal pela Apex

A Apex Group, empresa global com sede nas Bermudas que atua como fornecedora de serviços financeiros, recebeu autorização do Banco Central do Brasil para concluir a compra da operação de administração de fundos alternativos do Grupo Modal. A transação foi fechada em outubro de 2020, mas a conclusão do negócio dependia da autorização do BC.
A aquisição acrescenta à carteira da Apex aproximadamente R$ 80 bilhões em ativos sob administração e custódia de fundos de investimentos alternativos (FIPs, FIDCs e FIIs). O volume inclui gestoras e

Ativos sob custódia superam o PIB brasileiro

O montante de ativos custodiados somou R$ 9 trilhões no primeiro semestre de 2022, segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercado Financeiro e de Capitais (Anbima). A quantia é maior que o Produto Interno Bruto (PIB) do País, que fechou o ano de 2021 em R$ 8,7 trilhões de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
Um total de 53 instituições financeiras estão no Ranking de Custódia da Anbima, quatro das quais detêm 68,4% dos ativos custodiados. O Bradesco lidera o ranking geral, com R$ 2 trilh

Daycoval tem R$ 60 bilhões em ativos sob serviço

O Banco Daycoval fechou o primeiro semestre de 2022 com mais de 500 fundos atendidos por sua plataforma de serviços ao mercado de capitais, somando mais de R$ 60,0 bilhões em ativos sob serviço. Segundo o diretor de Operações e Serviços de Mercado de Capitais, Erick Carvalho, desde que a área foi montada, em 2019, o crescimento médio tem sido de 56% ao ano.
A área de serviços ao mercado de capitais tem apostado na tecnologia para reduzir erros humanos e crescer rápido. Atualmente, mais de 150 robôs atuam diariamente no dia a dia das ope

Diferenciais preservam posições Movimentações das carteiras rumo à renda fixa desde o segundo semestre do ano passado testaram a capacidade tecnológica dos custodiantes

Para Cruz Filho, do Bradesco, novo arcabouço de normas introduzidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) obriga empresas de custódia a investir em processos tecnológicos capazes de garantir agilidade e segurança nas entregas
Para Cruz Filho, do Bradesco, novo arcabouço de normas introduzidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) obriga empresas de custódia a investir em processos tecnológicos capazes de garantir agilidade e segurança nas entregas

Edição 346

Os movimentos fortes que deslocaram grandes volumes de recursos nos diversos mercados, com desvalorização de ativos e, a partir de julho, migração dos investidores para os fundos de renda fixa, tornaram 2021 e o primeiro trimestre de 2022 um período de alterações no mix de aplicações, com reflexos para os serviços de custódia, controladoria e administração fiduciária. Foi crucial manter a visão de longo prazo e assegurar que as estruturas de serviços fossem ágeis e flexíveis o suficiente para atender as de

Tecnologia e agilidade para crescer Em busca de alfa, os clientes têm demandado estruturas mais ágeis e flexíveis, que permitam olhar o caixa das carteiras em tempo real

Para o presidente da Santander Caceis, Joaquin Alfaro Garcia, “a estrutura de tecnologia e o time de profissionais especializados em custódia e administração aumenta a nossa capacidade de atuar de maneira próxima aos clientes”
Para o presidente da Santander Caceis, Joaquin Alfaro Garcia, “a estrutura de tecnologia e o time de profissionais especializados em custódia e administração aumenta a nossa capacidade de atuar de maneira próxima aos clientes”

Edição 346

O ano foi positivo para os negócios de custódia do Santander no Brasil, cuja meta é ser uma referência no mercado de capitais em termos de eficiência, inovação e time, analisa Joaquin Alfaro Garcia, presidente da Santander Caceis. “Foi um ano excelente porque avançamos em todos esses aspectos e conseguimos criar algumas parcerias sustentáveis com os clientes”, avalia. De janeiro a dezembro do ano passado, a casa contabilizou crescimento de 13,7% no volume de ativos sob custódia para o mercado doméstico, o

Foco no investidor estrangeiro Ciclos de liquidação dos negócios cada vez mais rápidos obrigam os prestadores de serviços da área a ter todo o processo automatizado

O Citi aposta em sua capacidade de ir além da custódia e liquidação de títulos e quer ser “os olhos e ouvidos” dos seus clientes estrangeiros no Brasil, diz Roberto Paolino, diretor de securities services do banco
O Citi aposta em sua capacidade de ir além da custódia e liquidação de títulos e quer ser “os olhos e ouvidos” dos seus clientes estrangeiros no Brasil, diz Roberto Paolino, diretor de securities services do banco

Edição 346

Entre os meses de abril de 2021 e março de 2022, período em que o volume total de ativos estrangeiros na indústria de investimentos no Brasil ficou praticamente inalterado, o Citibank manteve a liderança em serviços para esse segmento, com R$ 1,166 trilhão em recursos aplicados por não residentes (Resolução Bacen 4373) ou 66,1% do volume de R$ 1,763 trilhão somado pela indústria nessa categoria. Ao todo, incluindo também os ativos alocados em DRs (Depositary Receipts) a instituição somou R$ 

Custódia segregada traz bons resultados à BNY Mellon

O banco BNY Mellon no Brasil começou este ano elevando de 40 para 70 o número de fundos de investimentos que usam apenas seus serviços de custódia e controladoria mas com administração fiduciária feita por outras casas. As áreas de administração e custódia do BNY Mellon foram separadas em junho do ano passado com o objetivo de crescer em custódia e controladoria através da desvinculação com a área de administração.
“Eram menos de 40 fundos nesse novo modelo em dezembro de 2021, o que mostra que o projeto de fato ganhou velocidade, tem c

Paz e Moraes assumem novas posições no BNY Mellon

Peterson Paz e Marcus Moraes foram nomeados co-heads de asset servicing e digital do BNY Mellon para América Latina e Caribe. Eles se reportarão a Dan Smith, head de asset servicing de América Latina e Canadá.
Ambos acumularão as novas posições com os cargos atuais, Paz como head de Operações no Brasil para o BNY Mellon e Moraes como head de Relationship Management para o Brasil.

BNY Mellon separa áreas de administração e custódia

O BNY Mellon, maior player independente no mercado de custódia brasileiro, com R$ 318 bilhões sob custódia até abril, acaba de inaugurar a primeira etapa do projeto que irá “desplugar” os serviços de administração daqueles de custódia. Até a primeira quinzena de junho, a instituição só oferecia custódia para os fundos que ela própria administrava, mas desde o último dia 21 esse serviço passou a ser oferecido por meio de outro administrador, a XP. “O projeto começou com dois fundos da XP, em volume pequeno ainda, mas irá crescer gradualmente