Mainnav

As reformas são essenciais Rogério Tatulli, um dos principais líderes do GPFP, elogia a ideia de capitalização parcial da previdência e critica a de fundir Previc com Susep

Rogério Tatulli
Rogério Tatulli

A reforma do sistema previdenci√°rio, mote principal do novo governo federal na esfera econ√īmica, tem tudo para dar ainda mais g√°s ao sistema fechado de previd√™ncia complementar, que j√° vive um momento de euforia, com fundos institu√≠dos e setoriais pipocando pelos quatro pontos do pa√≠s. A leitura √© de Rog√©rio Tatulli, diretor-superintendente da Previ-Ericsson e um dos principais l√≠deres do Grupo de Profissionais de Fundos de Pens√£o (GPFP), que soma 18 anos de estrada e 36 funda√ß√Ķes associadas. O maior m√©rito do projeto, para o executivo, √© a

Fatiar a reforma seria melhor O custo de transição do atual modelo de previdência para um novo, de capitalização, deveria incluir inicialmente apenas os mais jovens

Thomas Tosta de S√°
Thomas Tosta de S√°

Para o economista Thomas Tosta de S√°, que apresentou ao futuro superministro da economia, Paulo Guedes, uma proposta de uma reforma previdenci√°ria que contemplasse o sistema de capitaliza√ß√£o apenas para os jovens que est√£o entrando no mercado de trabalho agora, fatiar a reforma √© o melhor caminho. Ele conta que a proposta ser√° levada com n√ļmeros mais precisos √† Guedes partir de 25 de novembro, ap√≥s ser apresentada por H√©lio Zylberstajn, professor da FEA/USP e coordenador do projeto, na Fenaprevi [Federa√ß√£o Nacional de Previd√™ncia Privada e V

‚ÄúTrump est√° coberto de raz√£o‚ÄĚ Para o consultor de com√©rcio exterior, as cr√≠ticas do presidente dos Estados Unidos ao ambiente de neg√≥cios no Brasil s√£o 100% procedentes

Fonseca: N√£o tenho d√ļvidas de que algu√©m bem gra√ļdo do Departamento de Com√©rcio colocou esse ‚Äúdiscurso‚ÄĚ nas m√£os do presidente Trump
Fonseca: N√£o tenho d√ļvidas de que algu√©m bem gra√ļdo do Departamento de Com√©rcio colocou esse ‚Äúdiscurso‚ÄĚ nas m√£os do presidente Trump

Depois de endurecer o jogo comercial com China e Uni√£o Europeia, os Estados Unidos est√£o de olho no Brasil. Na semana que antecedeu o primeiro turno das elei√ß√Ķes brasileiras, o presidente norte-americano, Donald Trump, soltou o verbo sobre a maior economia da Am√©rica Latina. ‚ÄúSe voc√™ perguntar a algumas empresas, eles dizem que o Brasil est√° entre os mais duros do mundo, talvez [seja] o mais duro. E n√≥s n√£o os chamamos e dizemos: ‚ÄėEi, voc√™s est√£o tratando nossas empresas injustamente, tratando nosso pa√≠s injustamente‚Äô‚ÄĚ, disse ele em 1¬ļ de ou

Curte muito, mas entende pouco As redes sociais s√£o um fen√īmeno, gerando milhares de seguidores aos presidenci√°veis, mais √© discut√≠vel se eles entendem as mensagens

Marcos Facó
Marcos Facó

Para o professor e diretor da √°rea de comunica√ß√£o e marketing da Funda√ß√£o Get√ļlio Vargas, Marcos Fac√≥, o poder das redes sociais como principal cabo eleitoral nas pr√≥ximas elei√ß√Ķes presidenciais √© um mito. Segundo ele, a baixa escolaridade de boa parte da popula√ß√£o brasileira, que a impede de entender em sua plenitude as mensagens dos candidatos nas redes sociais, √© um limitador muito objetivo. ‚ÄúO poder de penetra√ß√£o da televis√£o √© muito maior do que o das redes sociais, e ele √© muito mais facilmente digerido por essa popula√ß√£o, vamos dizer

O Algoz da Petrobras Advogado que derrotou a Petrobr√°s na corte de Nova York, arrancando dela US$ 2,9 bilh√Ķes para investidores, fala sobre como foi o processo

Almeida: A empresa perdeu valor de mercado em virtude da m√° governan√ßa corporativa e da n√£o observ√Ęncia de regras m√≠nimas de √©tica e de transpar√™ncia
Almeida: A empresa perdeu valor de mercado em virtude da m√° governan√ßa corporativa e da n√£o observ√Ęncia de regras m√≠nimas de √©tica e de transpar√™ncia

O advogado Andr√© de Almeida, do escrit√≥rio Almeida Advogados, pratica o seu of√≠cio h√° cerca de 20 anos nos Estados Unidos. No ano de 2014, quando soube dos termos da dela√ß√£o premiada que estava sendo feita pelos ex-diretores de Abastecimento e de Servi√ßos da Petrobras, respectivamente Paulo Roberto Costa e Renato Duque, mostrando as v√≠sceras dos processos de tomada de decis√£o na estatal brasileira, pagando propinas a muita gente e forjando n√ļmeros aos investidores, ele n√£o teve d√ļvidas. Tinha em m√£os informa√ß√Ķes e elementos suficientes para

A nova cara da Anbima Carlos Ambrósio assume a presidência da entidade tendo como uma das prioridades o fortalecimento do mercado de capitais

Carlos Ambrósio, da Anbima
Carlos Ambrósio, da Anbima

O novo presidente da Anbima, Carlos Ambr√≥sio, tomou posse em junho √ļltimo sucedendo a Robert van Dijk que dirigiu a entidade nos √ļltimos dois anos. Ambr√≥sio, que √© um dos s√≥cios fundadores da Claritas, gestora comprada pela Principal entre 2012 (60%) e 2016 (o restante), falou com Investidor Institucional sobre suas principais prioridades √† frente da entidade. Veja a seguir os principais trechos da entrevista:


Investidor Institucional ‚Äď Quais s√£o suas prioridades √† frente da Anbima

Com estresse e volatilidade Para o CEO da FAR, a gestora do Banco Fator, o mercado deve viver momentos de turbul√™ncia at√© o final do ano, por conta dos juros nos EUA e elei√ß√Ķes por aqui

Paulo Gala, da FAR
Paulo Gala, da FAR

Edi√ß√£o 304 

Para o CEO da FAR - Fator Administra√ß√£o de Recursos, Paulo Gala, a bolsa caindo abaixo de 75 mil pontos e as NTN Bs longas pagando taxas de 6% s√£o oportunidades que os investidores institucionais brasileiros devem aproveitar. Isso, claro, desde que os planos de suas funda√ß√Ķes aceitem tomar risco. Para os que n√£o aceitarem, a sugest√£o √© ficar nas NTNBs curtas, reduzindo os prazos para um, dois ou tr√™s anos no m√°ximo. ‚ÄúMinha vis√£o √© que at√© o meio do ano que vem ainda teremos um pouco de estresse e vol

Ainda longe do efeito Orloff Para o economista chefe da Porto Seguro Investimentos, o Brasil está numa situação melhor que Argentina para lidar com valorização do dólar

José Pena, da Porto Seguro
José Pena, da Porto Seguro

Edi√ß√£o 303 

Para o economista-chefe e estrategista da Porto Seguro Investimentos, José Pena, o Brasil não é a Argentina amanhã. Enquanto temos um déficit em conta corrente de 1% e Selic por volta de 4%, nosso vizinho ao Sul tem um déficit em conta corrente de 5% e juros de 40%, o que nos coloca numa situação bem mais confortável para atravessar um movimento mundial de apreciação do dólar. Que também nos afeta, embora com menos intensidade, diga-se de passagem. Para Pena, o que pode nos colocar no olho do furação

Em busca de sinergias Presidente da Fenaprevi fala sobre o crescimento da previdência aberta e das sinergias e alinhamento com o sistema de fundos de pensão

Edson Luis Franco, da Fenaprev
Edson Luis Franco, da Fenaprev

Edi√ß√£o 302 

Em entrevista √† Investidor Institucional, presidente da Federa√ß√£o Nacional de Previd√™ncia Privada e Vida (Fenaprevi), Edson Luis Franco, fala sobre a rela√ß√£o dos sistemas de previd√™ncia aberta e fechada, a necessidade de novos est√≠mulos em termos de legisla√ß√£o para fomentar o crescimento de ambas, e as mudan√ßas ocorridas no segmento das abertas dos √ļltimos anos.
Eleito presidente da Fenaprevi para o triênio 2016-2019, Franco é também diretor executivo da Zurich no Brasil. Possui mais de 22 anos

Unindo previdência e celular

 Silvio Rangel, da Fibra
Silvio Rangel, da Fibra

Edição 301

Além de incentivos tributários e simplificação das normas, sistema de fundos de pensão também precisa ter produtos mais simples e acessíveis

Aos 54 anos e com 21 anos de Funda√ß√£o Fibra, o presidente da entidade, Silvio Rangel, est√° preparando sua aposentadoria. Ele deve ficar na entidade at√© o in√≠cio de abril, quando uma nova diretoria toma posse. Um dos dirigentes mais preparados do sistema, fez parte de v√°rias comiss√Ķes e seu nome chegou inclusive a ser cogitado para disputar a presid√™ncia da Abr